sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Projeto do Trem de Alta Velocidade volta aos planos no Brasil

Depois de oito anos de discussões, estudos e três tentativas frustradas de leilão, voltou aos planos do governo o polêmico projeto do trem-bala, que ligará Campinas e São Paulo ao Rio.

Apesar de ter ficado adormecido durante este ano de eleições, o trem-bala continuou a ser alvo de estudos técnicos pela Empresa de Planejamento e Logística (EPL), que está próxima de concluir seus levantamentos para apresentar editais de contratação.
Uma fonte próxima ao projeto afirmou ao Estado que, já no início de 2015, será possível apresentar os editais para contratação de novos estudos técnicos envolvendo itens como demanda, custos operacionais, investimentos necessários, geologia, entre outros.


A contratação de novos estudos passou a ser uma exigência do Tribunal de Contas da União (TCU). Em agosto, o órgão de fiscalização decidiu que o estudo de viabilidade técnica e econômica usado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para licitar o projeto não tinha mais condições de apoiar a contratação porque estava desatualizado.

O trem-bala é um projeto defendido pessoalmente pela presidente Dilma Rousseff, que fez diversas tentativas de licitar o trem-bala, mas acabou recuando. A situação econômica do País esboçada para 2015 não dá sinais de comportar espaço para gastos bilionários.

Na prática, porém, são mínimas as possibilidades de licitação do empreendimento no próximo ano. É preciso contratar os estudos, dar tempo para realizá-los e só depois submeter uma proposta de leilão ao gosto do mercado – antes, porém, isso terá de passar pelo crivo do TCU. Na melhor das hipóteses, portanto, caso Dilma decida realmente levar o projeto adiante, a licitação efetiva da obra só ocorreria em meados de 2016.

O projeto fez parte das discussões internas durante a campanha eleitoral de Dilma. No mês passado, durante uma entrevista com blogueiros, Dilma deu sinais claros de que o projeto está mais do que vivo em seus planos. “Nós achamos que o Brasil precisa do trem-bala”, disse. O projeto foi adiado, segundo ela, devido a questões como busca de mais concorrência e a crise do euro, entre 2011 e parte de 2013. “Resolvemos esperar momentos melhores”, disse. “É certo que entre Rio e São Paulo tem demanda suficiente.”

O traçado de 511 quilômetros do trem-bala prevê a ligação entre Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas, com sete paradas no trajeto. Até dois anos atrás, o governo garantia que a obra ficaria pronta pelo custo de R$ 34 bilhões, mas empresas avaliavam que o empreendimento não sairia por menos de R$ 50 bilhões. Fonte: O Estado de S. Paulo

Centro de Manutenção em Jinan - China

A Manutenção dos trens CRH, geralmente verifica o status dos trens de alta velocidade, todas as noites depois de 10 horas de trabalho. São necessários quatro horas para verificarem um trem.

O Centro de Manutenção fica localizado em Jinan, província de Shandong, foi oficialmente colocado em operação em 1º de julho de 2011. Os trens de alta velocidade CRH podem chegar até 380 km/h.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Cabine do CRH no centro de manutenção

Um equipamento de controle técnico na cabine os técnicos baixam os dados técnicos computadorizados dos trens de alta velocidade CRH. Técnicos verificam o status dos bancos, todas as noites eles precisam verificar mais de 10.000 lugares e 5.000 instalações de serviço. (Xinhua / Zhu Zheng)

Ampliação CRH - China

A CRH uma abreviação para China trem de alta velocidade, se refere a trens com velocidades acima de 200 km por hora. Com uma velocidade projetada de 350 km/h, os novos trens CRH viajam entre Pequim e Xangai.

Zhang Shuguang, diretor do departamento de transportes do MOR, disse que a China iria ver "grandes compras" de trens CRH nos próximos anos, após a conclusão de mais linhas ferroviárias de passageiros em todo o país. A MOR tem planejado gastar 500 bilhões de yuans para compras de trens ao longo dos próximos quatro anos. "As compras fornecerá um forte apoio para indústrias relacionadas ", disse Zhang. A fabricação de um trem CRH requer cerca de 100.000 peças de uma ampla gama de indústrias, tais como mecânica, metalurgia, elétrica, química e materiais.


quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Acela Express - EUA

O Acela Express oferece serviço de hora em hora dos centros das cidades durante o pico da manhã e da tarde de rush entre Nova York, Washington, DC, Baltimore, Filadélfia e outras cidades intermediárias, assim como muitas viagens de ida e volta entre Nova York e Boston.

Você também pode escolher o Acela Express para viajar entre DC e Boston. Além de todas as comodidades podemos apreciar na Business Class ou primeira classe uma viagem super agradável em alta velocidade. Fonte: Acela

terça-feira, 28 de outubro de 2014

TGV Lyria

TGV Lyria é o trem de alta velocidade que liga a França à Suíça. Em apenas algumas horas, o TGV Lyria irá levá-lo do centro de uma cidade a outra, o trajeto pelas montanhas suíças cobertas de neve é de tirar o fôlego, fazendo com que cada viagem seja muito especial.


O TGV Lyria sai da França para as principais cidades suíças, estações de esqui e lagos. TGV Lyria permite-lhe alcançar Basel e Zurique a partir de Gare de l’Est, e Berna, Interlaken, Lausanne e Genebra, de Gare de Lyon, em menos de 5 horas. Fonte: Lyria

Trem de Alta Velocidade Thalys

Se a sua viagem inclui Paris, Bélgica, Holanda e Alemanha, então o trem de alta velocidade Thalys é a escolha ideal. O “trem vermelho” Thalys oferece ligações direta com 17 cidades e você pode viajar de Paris a Bruxelas em menos de noventa minutos. O Thalys faz mais de 50 viagens por dia, o que proporciona uma ampla variedade de horários. 

Com a velocidade a seu favor, você terá tempo de passear e ver todas as atrações, sem mencionar seus maravilhosos janelões. O Thalys oferece uma ampla variedade de acomodações e serviços a bordo. Basta você sentar e relaxar, esticar as pernas em seus assentos reclináveis, e admirar a paisagem.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Trem de Alta Velocidade entre Nova York e Washington está em debate nos EUA

Um grupo de investidores de Washington apoiado por políticos do alto escalão e US$ 5 bilhões em compromisso de investimento por parte do governo japonês está avançando sua visão de um trem de alta velocidade que poderia levar os passageiros de Nova York a Washington em cerca de uma hora.

O trem, que emprega uma tecnologia conhecida como levitação magnética, ou maglev, para flutuar sobre os trilhos usando ímãs em vez de rodas, poderia alcançar o dobro da velocidade do Acela, da Amtrak. Este é um dos muitos projetos de ferrovia de alta velocidade propostos para o corredor nordeste, de tráfego pesado, onde os congestionamentos e atrasos nos voos devem piorar. 


De acordo com os críticos, uma ferrovia maglev na Costa Leste ao custo total de US$ 100 bilhões é pouco mais do que um sonho. Mas isso não impediu os investidores de promoverem a ideia.

Na terça feira, numa pista de testes japonesa, um protótipo de trem transportou um grupo de visitantes americanos pelas montanhas a uma velocidade máxima de 505 km/h - tão rápido que Christie Todd Whitman, ex-governadora de Nova Jersey e integrante do grupo, disse que as viagens entre Washington e Nova York via Amtrak eram "constrangedoras" em comparação.
Para Christie, o trem é uma solução para os problemas de transporte no seu país, onde o Acela - o trem mais rápido dos Estados Unidos - leva 2 horas e 45 minutos para viajar de Nova York a Washington.

A ex-governadora faz parte de um poderoso conselho da Northeast Maglev, uma empresa de capital fechado com sede em Washington que tem a meta de construir a linha Nova York/Washington. O grupo, que faz visitas frequentes ao Japão para desenvolver o projeto e já fez pelo menos três passeios de testes no trem, busca convencer os céticos legisladores e investidores nos EUA e mostrar os benefícios financeiros e políticos do maglev.

O conselho inclui o ex-governador de Nova York, George E. Pataki; Tom Daschle, ex-líder da maioria no senado, que também estava a bordo do trem japonês na terça feira; o ex-governador da Pensilvânia, Edward G. Rendell; e Mary Peters, que foi secretária dos transportes durante a presidência de George W. Bush. Desde 2010, o grupo gastou US$ 1,4 bilhão em lobby no congresso, reunindo-se com funcionários dos governos estaduais e locais para consolidar o apoio ao projeto.

Na tentativa de conquistar apoio público, o grupo conta com compromisso de investimento de aproximadamente Us$ 5 bilhões por parte do governo japonês, para financiar parte da construção do primeiro trecho, entre Washington e Baltimore, a um custo estimado de US$ 10 bilhões. Com o maglev, a viagem entre as duas cidades seria feita em 15 minutos.

Mas ainda há obstáculos. Dado o custo do projeto, a empresa responsável pelo maglev precisaria da ajuda do governo federal, mas os defensores do setor dos transportes dizem que esse auxílio não deve ser anunciado. E a Associação Americana de Ferrovias de Alta Velocidade, que defende sistemas ferroviários de alta velocidade mais convencionais, descartou o maglev por ser demasiadamente caro e experimental.

Além disso, a operadora do maglev teria que obter o direito de construir os trilhos especiais em alguns dos terrenos mais caros dos EUA, um monumental empreendimento financeiro. A empresa planeja construir boa parte da rota no subterrâneo, aumentando ainda mais o custo.
Mas Wayne Rogers, que investe em energia renovável e outros projetos e atua como diretor executivo da Northeast Maglev, disse que o trem é uma alternativa mais sensata do que as propostas atuais para resolver os problemas de transporte no Noroeste, incluindo a construção de mais trilhos e a adaptação da malha já existente para tornar os trens da Amtrak mais rápidos. Aumentar o número de estradas na região só faria aumentar o congestionamento, disse ele.

Quanto à adaptação da malha para aumentar a velocidade dos trens da Amtrak, "É como colocar uma Ferrari na congestionada via Beltway em torno de Washington: não vai andar mais rápido", disse Rogers.

Outro defensor do maglev, James P. RePass, presidente da National Corridors Initiative em Boston, que apoia um maior investimento federal e privado nos projetos ferroviários, disse que sua reação inicial ao projeto foi o ceticismo, mas mudou de ideia.

"Se me perguntasse dois anos atrás, minha resposta teria sido, 'nem pensar'", disse RePass. "Mas essa proposta, que parecia improvável no passado, está ganhando credibilidade. A razão disso é o dinheiro disponível, que diferencia o projeto dos demais." Daschle, que comanda o conselho da Northeast Maglev, descarta as preocupações com a tecnologia maglev.

"a base do ceticismo não pode mais ser o aspecto tecnológico, pois seu funcionamento já foi comprovado", disse ele depois da viagem de trem.

Rogers disse que a empresa estava avançando seus planos: uma solicitação de transferência dos direitos de franquia da extinta ferrovia Washington Baltimore & Annapolis para a Northeast Maglev foi feita à Comissão de Serviço Público de Maryland, o primeiro passo para o início do projeto.

A empresa vai precisa também da aprovação do Conselho de Transportes de Superfície e da Administração Federal das Ferrovias. Sem a transferência dos direitos de franquia, a empresa terá de solicitar à Assembleia Geral de Maryland a aprovação de um novo acordo de franquia, processo que pode consumir anos.

"Não podemos esperar até que as condições políticas e financeiras sejam perfeitas", disse Rogers. "A infraestrutura de transportes do Corredor Nordeste está em mau estado. Precisamos começar a agir." Fonte: The NewYork Times

Renfe Espanha e França

Estações de trens de alta velocidade SNCF abrem em cooperação com a Renfe, dez trens diários cinco em cada sentido, fazem o serviço para reduzir significativamente o tempo de viagem entre as principais cidades de ambos os países.

As novas conexões diretas de alta velocidade entre Barcelona e Paris em 6 horas e 25 minutos, Madrid e Marselha em 7 horas, Lyon e Barcelona em menos de 5 horas e Barcelona para Toulouse em 3 horas. Ao longo de 2014 será expandida a oferta conjunta AVE e trens TGV's entre Espanha e França. Os novos serviços permitem conectar 17 cidades dos dois países e aumentar a oferta de origens e destinos por meio de conexões de trens para outra rede ferroviária Renfe e a SNCF.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

TAV japonês tem média de atrasos de apenas 36 segundos

Para os japoneses, o trem-bala é mais do que uma maravilha tecnológica que resiste à passagem do tempo. O shinkansen — nome oficial do superexpresso — ajudou a transportar o país de volta ao cenário internacional no pós-guerra. Em 1964, Tóquio ainda tinha sua imagem associada aos horrores da Segunda Guerra. Mas às vésperas da abertura das Olimpíadas na capital, naquele mesmo ano, o shinkansen fez sua primeira viagem e o mundo entendeu que o Japão havia mudado.


Começava ali a trajetória dos japoneses rumo ao desenvolvimento que criou uma das maiores potências econômicas da história asiática. A inauguração da primeira rota, entre Tóquio e Osaka, em 1° de outubro de 1964, foi comemorada por multidões nas ruas das duas cidades, separadas por 513km. O trajeto, que antes demorava sete horas, passou a ser feito em quatro, a 210 km/h (hoje a viagem leva pouco mais de duas horas). Desde então, vários modelos de trem-bala foram lançados e já transportaram dez bilhões de passageiros em seu meio século de existência, ligando os principais centros urbanos do Japão, ignorando as dificuldades de um terreno majoritariamente montanhoso e estimulando negócios e turismo. Trens mais velozes surgiram, enquanto outros países lançaram seus próprios veículos de alta velocidade, mas o shinkansen continua sendo um símbolo incomparável de eficiência, conforto e segurança.

Nunca houve um acidente grave envolvendo o trem-bala no Japão. Sua média de atraso é — preparem-se — 36 segundos. Um espetáculo. Em tempos de aeroportos caóticos, aviões apertados e serviços de bordo abaixo da crítica, viajar de shinkansen é uma benção. Não é barato, mas em compensação não tem estresse. Com a passagem na mão (comprar na hora também é fácil, desde que o passageiro evite o horário do rush e feriados), basta chegar 15 minutos antes na estação. É o tempo suficiente para confirmar o horário de partida, achar a plataforma e posicionar-se à frente do vagão marcado no bilhete. O trem sai às 10h13? Pois às 10h11, o veículo — com seu icônico bico futurista — vai chegar para que os passageiros embarquem, silenciosamente, sem empurrões e sem malas bloqueando a passagem. E assim acontece durante o dia todo, em mais de mil viagens diárias pelo arquipélago.

Quando o trem para no seu destino final, uma trupe de funcionárias vestidas com um uniforme cor-de-rosa invade os vagões com seus equipamentos de limpeza para uma faxina em tempo recorde. Elas são conhecidas como “os anjos” e têm pouco mais de cinco minutos para fazer seu trabalho antes que o shinkansen esteja pronto para partir novamente. É uma eficiência tão impressionante que costuma atrair autoridades de outros países interessados em copiar o milagre japonês.

A bordo de um trem-bala, o trajeto de Tóquio à histórica Kioto — parada obrigatória para quem visita o Japão — é um passeio memorável. Nem dá para sentir os 360 quilômetros que separaram as duas cidades. Em duas horas e meia, a viagem, que custa cerca de US$ 140, transcorre sem sustos ou tédio, entre os campos de arroz e casas de madeira que cercam as ferrovias. O Monte Fuji ao fundo dá o toque de cartão-postal.

Quando o vulcão é avistado, uma boa parte dos passageiros se levanta para fotografar a perfeição da montanha, mesmo que já tenha visto essa mesma imagem centenas de vezes. O Fuji, da janela de um trem-bala, é um clássico. Além disso, ninguém passa fome num shinkansen. Todas as estações vendem lanches e refeições prontas (os chamados bento-box), feitos especialmente para os passageiros. Não chega a ser uma experiência digna do Guia Michelin, mas é um programa típico que nenhum turista deveria evitar.

A viagem de Tóquio a Hiroshima, por exemplo, é longa (cerca de cinco horas) e exige distrações gastronômicas. Os japoneses não se acanham: promovem verdadeiros piqueniques no trem — mas tudo sem barulho, sem sujeira, sem confusão, como prega a cultura nacional. O consumo de álcool é permitido, embora tampouco tumultue o ambiente. Viajantes menos preparados não ficam de barriga vazia. O trem-bala tem serviço de bordo (pago). É um carrinho simples, com beliscos e bebidas. Antigamente a comida era servida por moças de quimono. Hoje o traje tradicional foi substituído por uniformes, mas aos olhos ocidentais eles continuam chamando a atenção: as moças parecem saídas de um filme dos anos 60, com tailleur e chapeuzinho azul-marinho. A cada vez que chegam ao fim de um vagão, fazem uma reverência e seguem em frente. É um ritual de polidez que reforça a aura de perfeição do shinkansen.

Como o Japão não gosta de ser superado pela China, já está testando seu trem de levitação magnética, o maglev, que poderá chegar aos 500 km/h. A primeira linha, entre Tóquio e Nagoia, está prevista para 2027. Mas nos trilhos japoneses o futuro já chegou há cinco décadas. Fonte: O Globo

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Trens na Europa - Grã-Bretanha

Viajar para a Grã-Bretanha e, de quebra, conhecer também vários países da Europa como França, Inglaterra, Itália, Espanha, Bélgica entre outros países. É possível percorrer inúmeros países viajando somente de trens, na maioria das vezes trens de alta velocidade que ultrapassam os 300 km/h.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

SNCF desempenho na industria ferroviária

Dois bilhões de passageiros transportados em 30 anos de TGV ou o recorde mundial de velocidade ferroviária (574,8 km/h) são todos feitos relacionados com o desempenho industrial construído ao longo do tempo, líder europeu em trem de alta velocidade é reconhecida mundialmente por sua expertise e know-how. 

Na França, o desempenho tem lugar todos os dias, a cada dia estão circulando 15.000 trens transportando 10 milhões de passageiros e toneladas de carga, com segurança. 

domingo, 19 de outubro de 2014

Renfe Ave - Espanha

No final da década de 1980 uma nova linha foi planejada para se juntar ao castelhano Meseta com a Andaluzia, sem passar pelo parque nacional Despeñaperros. Depois de considerar várias opções, foi decidido que uma linha de bitola padrão, permitindo a primeira ligação ferroviária de alta velocidade na Espanha.

O projeto foi nomeado ANPA ( Nuevo Acceso Ferroviario um Andalucía / New Rail Link para a Andaluzia ) foi concebido para ajudar a revitalizar o sul na estagnada economia espanhola. A linha foi inaugurada em 14 de abril de 1992 a coincidir com a Expo 92 que foi realizado em Sevilha. 


 Sevilha é a capital artística, cultural e financeira do sul da Espanha e a quarta maior cidade da Espanha, depois de Madrid, Barcelona e Valência, com uma população de mais de 700.000 e um sua região na área metropolitana de quase 1,5 milhões de pessoas. É também a capital da Andaluzia, mais populosa da Comunidade Autônoma da Espanha.

sábado, 18 de outubro de 2014

Transrapid de Pudong - China

Transrapid é um trem de alta velocidade para o transporte público, desenvolvido na Alemanha pela empresa Transrapid International GmbH & Co. KG, operada em conjunto pela Siemens AG e ThyssenKrupp AG. Tecnicamente o Transrapid é um trem de levitação magnética.

Em 2004, a primeira implementação comercial foi concluída, o Shanghai Maglev Train, que conecta a rede de trânsito rápido da cidade ao Aeroporto Internacional de Pudong na China. O trem de alta velocidade da Transrapid é projetado para uma velocidade de cruzeiro de até 500 km/h. Fonte: Transrapid

Korea Train Express - KTX

Na Coréia o trem de alta velocidade chamado KTX (Korea Train Express) gerido pela empresa Korail, a tecnologia desse trem de alta velocidade é baseada em grande parte do TGV francês, pode alcançar a uma velocidade de mais de 300 km/h.

A velocidade máxima para trens em serviço regular é atualmente de 305 km/h, embora a infraestrutura é projetada para 350 km/h. O material rodante inicial foi baseada na Alstom do TGV Réseau,

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Trem Alta Velocidade Europeu

Duas linhas de trens de alta velocidade aceleram as viagens de trem na Europa. O sistema TGV (Train à Grand Vitésse), com base na França, inaugurou a rota Rhin-Rhône, que parte de Paris, atravessa a Borgonha e os Alpes, levando os passageiros até Suíça (Zurique) e Alemanha (Frankfurt). Com cores e design que fazem lembrar as de uma Ferrari, o trem Italo AGV e (Automotrice à Grande Vitesse) entra em operação na Itália em rotas ligando o norte ao sul do país e Roma a Veneza. Fonte: O Globo


terça-feira, 14 de outubro de 2014

China descobrindo a alta velocidade ferroviária

A população chinesa cada vez mais está utilizando os trens de alta velocidade para grandes percursos entre as cidades da China. Após dezembro de 2008, os trens CRH3A importados foram repintados e renomeados para CRH3C (CRH3-002C, CRH3-003C e CRH3-004C). O resto dos trens estão sendo construídos por Tangshan Railway Vehicle com alguns componentes da Alemanha.

O primeiro Chinês-construído CRH3 (CRH 3 -001C) foi inaugurada em 11 de abril de 2008.
Os trens CRH3C 8 são semelhantes ao projeto Velaro E na Espanha. na foto um camponês observa a maravilha moderna cruzando a localidade.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Trem na Itália em alta velocidade

Nova opção para viajar em trens de alta velocidade na Europa, a Nuovo Trasporto Viaggiatori, conhecida pela marca Italo. Fundada em 2006, com o investimento de 1 bilhão de euros, a companhia opera trens de alta velocidade, conectando as principais cidades turísticas da Itália.

Partindo de Roma, por exemplo, a viagem leva em torno de 3 horas e meia até Veneza, 1 hora até Nápoles e cerca de 1 hora e meia até Florença. Na chegada ou na partida de Roma ou de Milão, há 2 estações de trem para escolher em cada cidade: em Roma, Tiburtina e Ostiense; em Milão, Porta Garibaldi e Rogoredo. Entre elas, a viagem sem paradas dura aproximadamente 2 horas e 45 minutos.

domingo, 12 de outubro de 2014

Design do Trem de Alta Velocidade CRH380A

O trabalho de design foi realizado em quatro categorias principais, desenho esquemático, planejamento tecnológico, estruturação e construção e experimentação. Com base na análise, um projeto de sistema sub otimizado foi apresentada. Mais de 20 projetos foram pré selecionados e encaminhados para a otimização e simulação. Cerca de 1.000 testes técnicos em 17 áreas específicas, tais como o desempenho dinâmico, pantógrafo, o desempenho aerodinâmico e de tração, foram realizados.


A tecnologia para aumentar a velocidade máxima do trem foi descoberta através de pesquisas realizadas em várias universidades da China e foi colocado o projeto do CSR.

O trem é integralmente soldados com liga de alumínio e moldado com uma estrutura arredondada na frente. A estrutura reduz a resistência aerodinâmica e consumo médio de energia durante todo o tempo de execução. Além disso, aumenta a quantidade de energia regenerada.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

A linha de alta velocidade de maior extensão do mundo

A linha de alta velocidade de maior extensão do mundo, que liga Pequim a Guangzhou, foi inaugurada em 2012 com a viagem do primeiro trem, em uma nova etapa no desenvolvimento da rede ferroviária chinesa, setor afetado por escândalos e acidentes.

Para a inauguração, a China escolheu o dia do nascimento do líder comunista Mao Tsé-Tung, 26 de dezembro de 1893. O trem percorrerá os 2.298 km que separam Pequim e Guangzhou, o grande polo econômico do sul, em oito horas, tempo três vezes menor que o atual. A composição circulará a uma velocidade média de 300 km/h e fará 35 paradas nas cidades mais importantes (Zhengzhou, Wuhan, Changsha, entre outras).

Alguns trens de alta velocidade da linha já estavam operacionais (Zhengzhou-Wuhan-Cantão), mas ainda faltava a linha Pequim-Guangzhou. A saída do primeiro trem foi exibida ao vivo pela televisão estatal, que também exibiu reportagens gravadas dentro dos vagões, onde os passageiros tiravam fotos. As primeiras conexões ferroviárias de alta velocidade na China foram inauguradas em 2007. Desde então, o país construiu a maior rede do mundo, com mais de 8.000 km no fim de 2010, número que deve dobrar até 2020.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Trem Alfa Pendular da Portuguesa CP atinge até 220 km/h

O trem de alta velocidade Alfa Pendular, série 4000 da CP atinge uma velocidade máxima de 220 km/h, desde o dia 10 de Maio de 2010, os serviços Intercidades entre a Estação do Oriente, Beja e Évora passaram a ser efetuados por via rodoviária, devido à suspensão do tráfego ferroviário durante obras de modernização na Linha do Alentejo, os serviços Intercidades neste troço voltaram a ser realizados por via ferroviária no dia 24 de Julho de 2011.

Gare do Oriente Lisboa

A 16 de Setembro de 2012, o serviço Intercidades da Linha da Beira Alta sofreu ligeiras alterações, por forma a tornar-se mais abrangente e melhor servindo as populações locais, através da introdução de assinaturas mensais com viagens ilimitadas em todos os serviços de passageiros da linha da Beira Alta, desde o dia 3 de Outubro de 2012 que existe uma ligação Intercidades de apoio aos comboios Sud Expresso e Lusitânia Comboio Hotel, com partida da estação de Porto-Campanhã e chegada a Coimbra-B. A partir de 15 de Dezembro de 2013, o serviço Intercidades volta a servir Braga, fazendo 10 ligações ferroviárias de longo curso,5 em cada sentido, entre Braga e Lisboa.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Trem de Alta Velocidade Frecciarossa - Itália

A Itália é o segundo país mais popular entre os portadores de passagens de trens, enquanto é o mais vendido entre os bilhetes One Country, válidos para um país. Também não é para menos, a rede ferroviária da Itália é tão atrativa quanto o país, oferecendo um impressionante sistema de alta velocidade que conecta a Itália de norte a sul. 

A frota de trens Frecciarossa, por exemplo, faz com que seja possível uma conexão direta entre Roma e Milão em menos de três horas. Ao lado dessas cidades, Florença e Veneza são os destinos mais visitados na Itália.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Serviço ferroviário de alta velocidade direto para Barcelona

Agora são 13 cidades francesas que fazem o serviço ferroviário de alta velocidade direto para Barcelona.: Paris, Lyon, Valence, Nîmes, Avignon, Aix-en-Provence, Marselha, Montpellier, Béziers, Narbonne, Perpignan, Carcassonne e Toulouse 7 cidades francesas tem serviço direto  para Madrid.: Marselha, Aix-en-Provence, Avignon, Nîmes, Montpellier, Béziers e Perpignan 4 cidades espanholas já oferecem serviço de transporte ferroviário de alta velocidade para a França:. Figueras, Girona, Barcelona e Madrid. 

Não se esqueça destes novas ligações: a partir de Toulouse, Carcassonne, Marselha e Aix-en-Provence, a linha foi estendida por todo o caminho para Barcelona e Madrid (somente para o curso na direcção de Marselha, Aix, Avignon, Nîmes, Montpellier, Narbonne e Perpignan).

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Shinkansen Série 500 pode levar até 1.324 passageiros sentados

A presença do piloto afastado mostra como é grande o nariz desta série 500 Shinkansen é, introduzido em 1997, operado a 300 km/h na linha Sanyo Shinkansen Tokaido. Quando utilizado com 16 carros cada trem tem espaço para 1.324 passageiros sentados. Agora foi substituído pela Série N700, e assim tem sido relegado para a prestação de serviços locais que param em todas as estações, mas continua a ser um dos mais elegantes de todos os Shinkansen.

Série E1 de dois andares - Japão

Este robusto E1 Series Shinkansen não pode ser visto como um motor dos mais rápidos, mas ele ainda pode gerenciar 240 km/h. A série E1 de dois andares Shinkansen foram introduzidos nas linhas Tohoku e Joetsu para aliviar a superlotação causada por passageiros que viajam para Tóquio, apesar de também ser utilizados para viagens de longa distâncias.

domingo, 5 de outubro de 2014

União Européia aprova financiamento para frota polaca Pendolino

A Comissão Europeia concordou em fornecer € 74.000.000 para financiar nova frota polonesa com trens de alta velocidade Pendolino. A Alstom está fornecendo 20 trens para o operador, o primeiro dos quais entrará em serviço em dezembro. Durante o ensaio dinâmico, o novo comboio intercidades da Polônia quebrou recordes de velocidade atingindo uma velocidade máxima de 293 km \ h.

No início deste mês, PKP Intercity recebeu a aprovação do Escritório de Transporte Ferroviário da Polônia para operar sua nova frota de trens Pendolino a 250 km / h na rede ferroviária do país.

PKP afirmou que planeja ter 18 trens de sete carros disponíveis para o início do serviço no final do ano.Os Pendolinos serão lançados em várias rotas de Varsóvia para cidades como Gdynia, Rzeszow, Wroclaw e Cracóvia. A nova frota de trens de longa distância foi construído em Savigliano fábrica da Alstom na Itália.

Photo: PKP Intercity.

sábado, 4 de outubro de 2014

A DRS encomenda mais 10 Locomotivas Classe 68

Ao anunciar a compra, a DRS disse que durante os testes da classe 68 superou as expectativas, e dado ao operador a confiança necessária para expandir sua frota. A encomenda também ainda se baseia no relacionamento da operadora com Vossloh.

O diretor da DRS Neil McNicholas disse: "A DRS continua a competir em um mercado do transporte ferroviário vibrante e dinâmico. A chave para isso é a capacidade da empresa para trazer equipamentos de última geração para os clientes garantindo que eles desfrutem da melhor performance, operacional e ambiental.

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

DB e SNCF estendem parceria transfronteiriça ferroviária de alta velocidade

Os principais executivos da Deutsche Bahn (DB) e SNCF concordaram em continuar a operação conjunta dos serviços ferroviários de alta velocidade entre os dois países até 2020.

A assinatura de um Memorando de Entendimento em Berlim, Rüdiger Grube DB e da SNCF Guillaume Pepy disseram que estavam satisfeitos em continuar a parceria, que foi estabelecido pela primeira vez em 2007.


Uma série de melhorias no serviço são definidos para serem entregues nos próximos anos. A partir da Primavera de 2016, o tempo de viagem entre Paris e Stuttgart será cortado em 30 minutos, ao mesmo tempo, o tempo de viagem entre Paris e Munique também serão reduzidos, permitindo a introdução de um serviço de alta velocidade adicional entre Paris e Stuttgart.

Os passageiros que viajam entre Paris e Frankfurt também verá melhorias a partir de 2016, com tempos de viagem mais rápida e um serviço de semana adicional. A DB também está esperando para finalmente apresentar o seu ICE 3 trens em rotas transfronteiriças.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Simulador de Treinamento do Trem de Alta Velocidade

Oportunidades para conduzir trens de alta velocidade Shinkansen são raras, mas os visitantes da InnoTrans foram capazes de fazer isso em um simulador de treinamento de pilotos no stand JR East. Fornecido por Ongakukan Co Ltd, o simulador oferece uma tela de tecnologia 4K com uma representação precisa da condução de uma composição E5 Shinkansen usando imagens de vídeo de verdade filmado a partir da frente de um trem.

Os candidatos a pilotos podem experimentar a operação com o trem controlado pela DS-ATC na velocidade da linha Tohoku completa Shinkansen de 320 km / h, a aplicação automática de freios de emergência, quando um terremoto é detectado.


A cabine do piloto apresenta ecrãs de informação e controles do E5. Simulações de áudio reproduzem o barulho de motores de tração, o ATC sinos e outros sons. Se o estagiário ativa a buzina quando o trem está se aproximando de uma plataforma da estação, ele vai ver os passageiros que podem estar de pé perto da borda da plataforma dando um passo para trás a partir da borda. A versão em exposição tem funções simplificadas em comparação com um simulador de treinamento de pilotos completo.

Tokaido Shinkansen - Trem de Alta Velocidade no Japão completa 50 anos

Celebrações realizada em Tóquio, em 01 de outubro para marcar o 50 º aniversário da abertura da primeira linha de alta velocidade do mundo, entre Tóquio e Shin-Osaka.

O operador atual do Tokaido Shinkansen, JR Central, encenada o lançamento com um corte da fita às 6:00 h antes de despachar o primeiro trem do dia. Considerando a série original o trainsets levou cerca de 4 horas para cobrir os 515 quilômetros em um máximo de 210 km / h, o mais recente da série N700A rodando até 285 km/h oferta um tempo mais rápido de 2:25 h.

A JR Central em 50 anos de operação nenhum passageiro havia morrido em um acidente de trem na linha de alta velocidade, que realizou agora mais do que 5,6 bilhões de passageiros. O Tokaido Shinkansen tem contribuído grandemente para economia do Japão, cultura e sociedade, disse o presidente JR Central Koei Tsuge, acrescentando que o trem de alta velocidade tornou-se um símbolo da tecnologia do Japão.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Trem Imperial - Japão

Este é o trem imperial do Japão, para o uso do imperador e outros membros da família real. Hoje em dia o imperador costuma viajar por via aérea, rodoviária ou em umvagão reservado em um trem programado, por isso não é sempre que ele usa esse trem.

O resto do tempo, ele está disponível para charter privado, exceto por uma composição que é exclusivamente para o uso da família real. Aqui vemos aproximando-se de Kokubunji Nishi estação na linha Chuo, em Tóquio, em 2011. As bandeiras na frente indicam que o imperador está de fato a bordo.

Shinkansen da série E5

O nariz longo "bico de pato" neste Shinkansen da série E5 não é projetado para ajudá-lo a ir mais rápido, ele está lá para minimizar o ruído causado pela entrada e saída de composições em túneis em altas velocidades. Este trem começou suas operações com serviços no recém ampliado Tohoku Shinkansen Linha de Aomori em março 2011 e é capaz de atingir velocidades de 320 km/h, mas até agora tem sido restrito a 300 km/h em serviço regular.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...