sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Trem de Alta Velocidade no Brasil entra na reta final

Toda grande obra é acompanhada com atenção e opiniões diversas, imagine hoje os grandes centros urbanos no mundo como São Paulo, Londres, Paris entre outros, sem a construção do Metrô e Trens de Alta Velocidade, seria impensável.

Consórcios da Espanha, Alemanha e França estão interessados em participar do leilão do primeiro TAV brasileiro. Entre eles, apenas o consórcio francês (liderado pelas empresas Alstom e SNCF) diz estar pronto para a entrega das propostas no próximo dia 16.

Os demais preferem o adiamento da concorrência.
O consórcio espanhol - formado pela operadora Renfe, Talgo, Adif, Indra, Ineco, Invensys e Bombardier - precisaria de pelo menos mais dois meses para entregar uma proposta sólida.


As mudanças nas regras do leilão estariam dificultando a elaboração da proposta. A Talgo informou que prefere aguardar a decisão da presidente Dilma sobre o adiamento ou não da entrega das propostas para se pronunciar.

O governo ainda não decidiu se vai adiar ou não o leilão. A presidente Dilma ainda tem que lidar com outra questão, 2014 é ano eleitoral e, caso o leilão do TAV for adiado, o governo estará impedido de assinar contratos a partir de março, segundo a constituição federal.

CAF e Talgo

Outra questão que envolve a Espanha na licitação do TAV é a participação da CAF. A empresa havia manifestado interesse no TAV e, segundo a imprensa espanhola, disputou com a Talgo um lugar no consórcio espanhol, já que não encontraram uma forma de cooperação.

A CAF contava com a vantagem de ter uma fábrica no Brasil, na cidade de Hortolândia, em São Paulo, mas o consórcio preferiu se garantir com a experiência em trens de alta velocidade da Talgo.
A CAF não está no consórcio espanhol, mas isso não a impede de participar da licitação com outro consórcio.