quinta-feira, 9 de abril de 2020

Renfe prepara trens para transportar pacientes de hospitais mais atingidos para os menos atingidos

A Espanha decide se inspirar no modelo da França , que deu bons resultados, e finaliza os preparativos para iniciar trens modificados com equipamentos médicos que podem transportar pacientes de comunidades autônomas com hospitais altamente congestionados para outros com capacidade de absorver esses pacientes com coronavírus.


O Ministério da Saúde realizou testes na estação de Atocha com pessoal da operação Renfe e Adif, para transportar pacientes em um dos trens médicos da empresa ferroviária. O objetivo deste teste foi validar a adequação do trabalho realizado para transformar os comboios para uso como transporte médico, de acordo com um comunicado.

Como o ministro Ábalos já havia anunciado, a Renfe dispõe de meios para transferir pacientes do Covid-19 sempre que as autoridades de saúde o exigirem. A transformação interna dos trens também tem a aprovação da Agência Estadual de Segurança Ferroviária, que autorizou adaptações em veículos da série 730 como transporte médico. 

Devido às características da rede ferroviária espanhola, os trens da série 730 são os mais adequados, pois são trens híbridos movidos a eletricidade e diesel, e possuem truques móveis para se adaptar a diferentes larguras de trilhos. Em outras palavras, esses comboios permitem que o trem viaje em rotas AVE e convencionais. 


O caso francês

A medida promovida pelo Ministério dos Transportes da Espanha é tomada com base nos bons resultados que a França obteve após medicalizar os trens da empresa ferroviária pública SNCF. O governo Emmanuel Macron permitiu que as ferrovias TGV - o francês AVE - fossem adaptadas para se tornarem ambulâncias para transportar pacientes para outras áreas. Fonte Renfe