sexta-feira, 2 de agosto de 2019

Adif vai investir 1.460 milhões para integrar Atocha e Chamartín em uma mega estação

"Uma estação, dois terminais". É assim que a presidente da Adif, Isabel Pardo de Vera, descreve o futuro de Atocha e Chamartín como uma infra-estrutura macro ferroviária única projetada para impulsionar a alta velocidade. Com o objetivo de criar um único nó de comunicação que permita conectar o norte e o sul da Espanha sem ter que trocar trens e maximizar a ocupação, o gerente já trabalha para expandir e conectar ambas as estações por pouco mais de 1.460 milhões (sem IVA).


Assim, a empresa acelerou o acelerador para multiplicar o tamanho de ambas as estações, que são um gargalo para a liberalização ferroviária e planos para aumentar ainda mais a capacidade ( já aumentou em 65% ) e já anunciou a licitação em Outubro do projecto de construção da nova estação de Chamartín.

As obras, avaliadas em cerca de 966 milhões de euros, contemplam a multiplicação por 10 da estação e todos os serviços associados, tanto comerciais como de lazer e atendimento ao cliente quando todas as fases estiverem concluídas. 

Quanto à alta velocidade, o objetivo é que a Chamartín tenha 18 linhas AVE, três vezes mais do que agora, cerca de nove plataformas (atualmente existem três) e uma estrutura para levar a alta velocidade até Barajas, embora a conexão teria que ser desenvolvida em outro projeto em uma primeira fase urgente, mais quatro linhas de alta velocidade serão colocadas, o que também cobrirá a perda de capacidade temporária que Atocha sofrerá durante seus trabalhos de expansão.

E, o projeto para integrar a operação de ambas as infraestruturas inclui a construção de um metrô através de uma estação em Atocha que o liga a Chamartín e que ainda não está operacional. A estação de passagem terá quatro linhas e duas plataformas e é peça chave para impulsionar o tráfego de passageiros da infraestrutura do norte da capital e para as estações deixarem de ser fundos de saque. 

Este projeto, avaliado em cerca de 356 milhões sem IVA (cerca de 426 milhões com IVA) já foi anunciado por Rajoy durante a presidência e o novo executivo de Adif relançou e ajustou-o para impulsionar a integração.

A chave para "fundir" a operação passa pelo túnel, a estação de passagem e as novas linhas.

Mas, a chave para fundir a operação de ambas as estações está na reestruturação nas vias férreas de Chamartín e no comissionamento do túnel que une ambas as infraestruturas e que há muito tempo está concluído. Historicamente, conhecido como o túnel do riso, está passando por diferentes testes de segurança que foram estendidos ao longo do tempo, pois envolve uma tecnologia de sinalização muito complicada e deverá ser lançada no final do ano ou durante o primeiro trimestre de 2020. .

Adif já incluiu o túnel na declaração de rede para a liberalização do tráfego de passageiros, uma vez que estabeleceu que os trens que vêm de Levante tem o terminal em Chamartín, em vez de em Atocha, como está acontecendo atualmente. Assim, este túnel permitirá que um trem que vem de A Coruña continue para o sul sem parar em Atocha e que a infraestrutura seja usada independentemente como um terminal para otimizar sua operação. Fonte: Adif