terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Espanha e Portugal assinaram declaração para implementar o Corredor Atlântico Ferroviário

Ambos os estados elaboram um planejamento de infraestrutura conjunta neste eixo de acordo com os planos de desenvolvimento de cada país. O Secretário-Geral do Ministério do Desenvolvimento e Infraestruturas, Manuel Niño, o presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes, João Fernando Amaral Carvalho e Carlo Secchi como coordenador europeu do Corredor Atlântico, assinaram uma declaração sobre os objetivos do trabalho. 


O objetivo é estabelecer um planeamento conjunto do desenvolvimento de infraestruturas no Corredor Atlântico em ambos os países. O grupo também coordenam a natureza transversal dos materiais da rede transeuropeia de transportes, em que ambos os países estão envolvidos.

Como explicado a partir do Ministério do Desenvolvimento, a declaração foi assinada "está definido novamente destacou a importância da coordenação transfronteiriça ativo para otimizar os investimentos de infraestrutura." Da mesma forma, eles explicam, "disse os objetivos do grupo de trabalho reafirmou, destacando a necessidade de planejamento para o desenvolvimento no âmbito da plena interoperabilidade e de acordo com os planos próprios de cada país e da Rede Trans-Europeia Transportes (RTE-T) ". A assinatura teve foi realizada em Riga (Letónia), no âmbito do dia da RTE-T 2015 Connecting Europe Conference, organizada pela Comissão Europeia, em que o coordenador do Corredor Atlântico apresentou o plano de trabalho para aquele corredor. Fonte: Elvigia Foto: Silvério Borges


sábado, 26 de dezembro de 2015

Trens de Alta Velocidade - Cádiz

Cádiz é uma das próximas províncias para se juntar à rede espanhola de alta velocidade, de grande prestígio e reconhecimento internacional. Será conectada de Sevilha e Madrid e, a partir daí, a todos os novos serviços ferroviários nacional articulado, estendendo rapidamente em toda a península.

São 157 quilômetros de (bitola ibérica e internacional) via dupla e pelo qual os trens vão funcionar em velocidades de até 250 km/h e 300 km/h de Sevilha. Fonte: Cadizeconomic


Estação South Bay San Fernando


quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Trens Talgo Avril - Espanha

Trens Talgo um desenvolvimento mais recente que foi concebido como uma plataforma adaptável às necessidades de cada cliente. É baseado em tecnologia Talgo com inovações importantes, a mais recente tecnologia de alta velocidade do mercado, pode operar a velocidades de 380 km/h, com uma configuração revolucionária no campo, inspirado pela aviação comercial, 3 + 2 assentos por fileira, garantindo a capacidade máxima e flexibilidade aos operadores ferroviários. Esta distribuição 3 por 2 permite uma maior capacidade alcançando 600 lugares em sua configuração padrão. Fonte: Talgo




domingo, 20 de dezembro de 2015

A operadora italiana NTV apresenta os Pendolinos do futuro fabricados pela Alstom

Frente futurista e um vermelho que lembra os carros da Ferrari, assim são os oito novos trens da privada NTV operadora italiana de alta velocidade construído pela Alstom para ser entregue no final de 2017 e entrar em serviço em 2018. O novo trem é vermelho impetuoso e tem uma frente futurista, projetado para fornecer proteção a choques. É uma evolução dos modelos anteriores da família dos Pendolinos.


O trem, que é fabricado na Itália, é capaz de atingir uma velocidade máxima de 250 quilômetros por hora. Tem 187 metros de comprimento e é composto por sete carros com uma capacidade máxima de 480 passageiros. Esta nova geração de Pendolino é compatível com as mais recentes normas de interoperabilidade (TSI1) estabelecidas pela União Europeia em 2014.


Os novos veículos são ecologicamente corretos, pois eles têm um elevado nível de reciclagem e redução de emissões de dióxido de carbono. Além disso, seu sistema otimizado tração distribuída aumenta a eficiência energética, melhora a aceleração e recupera energia na fase de frenagem.

Os oito novos trens vão complementar a frota existente de vinte unidades de trem AGV, também fabricadas pela Alstom, que compõem o parque da NTV, que o operador irá adquirir 33 unidades. NTV irá responder a uma procura crescente, o aumento da oferta nas principais linhas de alta velocidade das nordeste e noroeste Itália corredores. O aumento da frota é parte de um processo de desenvolvimento empreendido por NTV, que em 2015 transportou mais de nove milhões de passageiros, um aumento de 40% em relação ao ano anterior.

NTV e Alstom assinou um contrato para a compra e manutenção por um período de vinte anos, no valor de 460 milhões de euros. O Pendolino, NTV vai oferecer maior flexibilidade e adaptação para ambas as linhas de alta velocidade e convencional. Estes trens irão  complementar a frota existente de vinte trens AGV, a NTV Italo, também fabricado pela Alstom, irá expandir as opções de permitir alta velocidade para um número crescente de passageiros.

Atualmente, quinze estações de Italo conectarão onze cidades na Itália: Salerno, Nápoles, Roma Termini, Tiburtina Roma, Florença, Bolonha, Reggio Emilia, Milão Rogoredo, Milão Central, Turim Porta Nuova, Porta Susa, Verona, Pádua, Veneza Mestre, Veneza Santa Lucia e, até o final da Expo 2015 Expo Milão. Fonte: Treneando


terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Trens Siemens

A procura por mobilidade está aumentando em todo o mundo. Transportar pessoas e bens para todos os lugares do mundo apresenta desafios para a infraestrutura das economias nacionais. Isso se aplica especialmente às instalações de logística e transporte de cidades: as cidades conseguirão resolver os problemas causados pelo aumento do trânsito rodoviário? O transporte público pode ajudá-las a evitar o colapso total? Como os operadores ferroviários podem aumentar a eficiência e a segurança dos seus sistemas? Como o tráfego ferroviário e rodoviário podem ser integrados? Como as cadeias de suprimentos logísticas podem ser aprimoradas ainda mais, à medida que os volumes de frete continuam a crescer continuamente?


A divisão “Mobility” da Siemens oferece respostas a todas essas perguntas com o seu portfólio abrangente, porque a mobilidade moderna, interconectada e baseada em TI é a competência principal das suas cinco unidades de negócios: Gestão de Mobilidade, Projetos Completos e Eletrificação, Transporte de Linha Principal, Transporte Urbano e Serviços ao Consumidor. Eles têm o conhecimento para fazer com que o tráfego viário flua com mais facilidade e rapidez, tornar os trens mais sustentáveis e eficientes e aumentar a confiabilidade da programação de horários de trens e despachos de frete. Trabalhamos com nossos clientes para criar soluções otimizadas a fim de ajudar a enfrentar esses desafios. Fonte: Siemens

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

China faz acordo para construção do trem de alta velocidade que ligará Las Vegas à Los Angeles - EUA

CRRC, grupo formado a partir de uma fusão conduzida por as duas maiores fabricantes de trem da China, está entre um grande grupo de empresas ferroviárias do país que assinou um acordo para o projeto com a XpressWest, uma empresa criada por Las Vegas com desenvolvedor de Empresas Marnell. Termos de investimento não foram divulgados.


Gary Wong, analista baseado em Hong Kong, da corretora Guotai Junan, estimou que o projeto poderia ser de US $ 5 bilhões. Ele disse que, embora provavelmente iria favorecer muitas empresas chinesas envolvidas, foi significativo para as suas metas de longo prazo.

"Se isso abre o mercado dos EUA para eles, as oportunidades para expansão futura vai aumentar. E, se (a sua tecnologia) é usado nos Estados Unidos, será mais fácil para eles para vender para outros países", disse ele. Fonte: Reuters Foto: Mochit2 China

domingo, 13 de dezembro de 2015

Espanhóis querem dar nome de Trás-os-Montes a estação de trens de alta velocidade

A Estação de Sanábria fica à 35 km de Bragança e poderá pôr cidade de Trás-os-Montes a duas horas e meia de Madrid. “Consideramos que a estação do AVE servirá dois territórios e duas povoações. Por isso, deverá chamar-se Porta Sanabria/Trás-os-Montes”. José Rodriguez Ballesteros, porta-voz da Associação de Defesa da Sanabria e Carballeda, entende que dois territórios desertificados juntos têm mais força e justificam a construção de uma estação do comboio de alta velocidade que lhes seja dedicada.


A linha do AVE (Alta Velocidade Espanhola) que ligará Madrid à Galiza quase toca a fronteira portuguesa, perto de Rio de Onor e Bragança, quando atravessa a zona de Sanabria. O projecto desta linha prevê a construção em Otero de Sanabria de uma estação que servirá os comboios que circulam a 300 Km/hora, mas são os próprios habitantes locais que vêem vantagens em que a sua estação inclua o nome de Trás-os-Montes.

“Sanabria e Carballeda têm 7000 habitantes, mas Trás-os-Montes é um território de 40 mil habitantes, pelo que faz todo o sentido que a estação sirva toda esta região fronteiriça”, disse José Rodriguez Ballesteros ao PÚBLICO.

Bragança fica a 35 quilómetros da futura estação do TGV espanhol, numa estrada com muitas curvas, mas aquele dirigente associativo não defende uma auto-estrada a ligar a cidade transmontana a Sanabria para não interferir com o Parque Natural de Montesinho. Em sua opinião, basta melhorar a estrada existente a fim de encurtar o tempo de viagem até à estação ferroviária. A partir daí, os transmontanos chegarão mais depressa a Madrid do que a Lisboa, porque bastarão duas horas e meia sobre carris para chegar ao centro da Meseta Ibérica.

Em Maio deste ano realizou-se uma manifestação reivindicativa no local onde ficará situada a estação de Otero de Sanabria, organizada pela Associação de Defesa da Sanabria e Carballeda à qual se juntou também um movimento cívico português — o DART (Defender, Autonomizar e Rejuvenescer Trás-os-Montes).

Francisco Alves, deste movimento, disse ao PÚBLICO que o importante é que a estação do AVE se construa em Sanabria e que depois os comboios lá parem. “É que, do lado sanabrés, a estação não se justifica, com excepção talvez do Verão em que há mais gente, mas, contando com Trás-os-Montes, o cenário muda de figura”.

O documento entregue ao governo espanhol reivindicando a paragem do comboio de alta velocidade em Sanabria assume um claro divórcio da região transmontana com o resto de Portugal no que concerne às acessibilidades: “a estação de Puebla/Bragança [nome alternativo a Sanabria/Trás-os-Montes] permitirá aos residentes da região o acesso ao aeroporto de Madrid pelo facto de encurtar o tempo de viagem, constituindo assim uma alternativa mais rápida e mais segura relativamente ao terminal do Porto, para já não falar no de Lisboa”.

Esta proximidade de Barajas, dizem, “representa um potencial inestimável para todos quantos pretendem visitar a região, ou para os residentes viajarem para outras partes do mundo”.

Esta apetência do Nordeste português para Madrid é ainda potenciada pelo facto de se constar que a TAP vai acabar com os voos de longo curso a partir do aeroporto Francisco Sá Carneiro.

Mas, para chegar à estação do AVE que levaria os transmontanos para o mundo, é necessário uma via rápida entre Bragança e Sanabria, que encurtaria a viagem dos actuais 45 minutos para 20 minutos. Francisco Alves diz que, desta forma, a capital do Nordeste Transmontano ficaria a poucas horas das principais cidades do centro e norte de Espanha.

José Rodriguez Ballesteros acrescenta que o ideal até seria uma ligação ferroviária a Bragança, cidade que viu partir um comboio pela última vez em Dezembro de 1991, aquando do encerramento da linha do Tua, entre esta cidade e Mirandela. Mas esse é o mais improvável dos cenários, até porque o que restava da linha do Tua também tem vindo a ser desmantelado.

Em meados de Novembro, a Plataforma Salvar o Tua considerou “um erro e um crime contra o património nacional” o levantamento dos carris no troço de 18 quilómetros que vai ser submergido pela barragem do Tua, cuja construção está a cargo da EDP. Esta obra levantou inúmeros protestos na região pelo seu impacto ambiental negativo e pelo facto de submergir parte da linha do Tua, cuja circulação se encontrava suspensa à data do início da construção da barragem, na sequência de quatro acidentes com igual número de mortos. Fonte: Carlos Cipriano/Publico.pt

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Korea Train Express KTX

O Korea Train Express KTX é um sistema de trens de alta velocidade da Coreia do Sul operado pela companhia Korail. A tecnologia do comboio é baseado no sistema de TGV francês, apresentando velocidades de mais de 300 km/h. Em 16 de Dezembro de 2004 o comboio coreano HSR-350X efetuou uma viagem de testes alcançando os 352.4 km/h.

Após 12 anos de construção, a linha Gyeongbu (ligando Seul até Busan via Daejeon e Daegu) e a linha Honam (Seul paraGwangju e Mokpo) abriram em 31 de Março de 2004, utilizando trens de alta velocidade em apenas parte da linha (Seul-Daegu), a nova linha corta o tempo de viagem entre Seul e Busan dos anteriores 260 minutos para apenas 160 minutos, chegando até 116 minutos. Fonte: KTX

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...