terça-feira, 30 de setembro de 2014

Estrangeiros apostam no crescimento das ferrovias brasileiras

O transporte ferroviário do Brasil está na mira dos negócios de empresários europeus. O interesse ficou evidente pela quantidade de empresários que buscaram informações a respeito do transporte sobre trilhos no Estande Brasileiro durante os quatro dias da InnoTrans. A maior feira ferroviária do mundo, realizada em Berlim, na Alemanha, reuniu neste ano, dos dias 23 a 26 de setembro, 2.691 expositores distribuídos em uma área de 161.420 m2.

O interesse pelo mercado brasileiro é tamanho que a capa do principal informativo distribuído hoje (26), na InnoTrans, estampava o acordo de cooperação assinado entre a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e a Agência Europeia de Ferrovias (ERA).


O acordo de cooperação consiste em uma troca bilateral de experiências no campo da interoperabilidade, segurança, sinalização ferroviária e regulamentos de comunicação, o que inclui as especificações técnicas e na formulação de regras para operação. Estes dados são importantes para a operação das ferrovias de cargas previstas no Programa de Infraestrutura e Logística (PIL), lançado pelo governo federal brasileiro. 

“Essas ferrovias serão construídas seguindo um novo modelo, o open acess. Portanto, para que seja feita a ligação com a malha já existente, precisaremos buscar informações para definir a melhor forma de funcionamento, além das regras de operação. Neste sentido, os europeus têm know-how, pois passaram por situação semelhante há 40 anos”, explica o diretor-geral da ANTT, Jorge Bastos. “O que queremos com essa parceria é a troca de dados, de experiências. Não significa que vamos implementar o modelo europeu”, completa Bastos. 


O diretor executivo da Agência Ferroviária Europeia, Marcel Verslype, destaca que o Brasil é um mercado muito importante para os europeus. No entanto, enxerga algumas situações e problemas que os países europeus vivenciaram no passado e já encontraram soluções. “Acredito que trabalhando juntos podemos ajudar a evitarem erros que a Europa cometeu no passado”, enfatiza Verslype.

O intercâmbio de informações será feito por meio da realização de workshops com especialistas, de visitas técnicas às ferrovias europeias e suporte técnico de especialistas.

Mercado ferroviário em ascensão atrai interesse de grandes e pequenas empresas

O Brasil é a “bola” da vez no interesse de fornecedores de dezenas de empresários europeus. Empresas como Bombardier, Siemens, Deutcsh Banh, Frauscher, Getzner, SCI, BC2, Vossloh, Weather Cockpit, Ville Rail e Alstom estão entre as empresas interessadas no mercado ferroviário brasileiro, seja para ingressar, seja para ampliar as vendas no país ou o portfólio de produtos comercializados. E, os produtos e serviços oferecidos são os mais diversos, que vão de locomotivas a parafusos. 



É o caso da empresa Bombardier, que possui um modelo de locomotiva voltado especificamente para as necessidades das ferrovias de carga brasileiras. Já a empresa Weather Cockpick quer inserir no mercado uma tecnologia que identifica antecipadamente os tipos de problemas que podem ocorrer nas vias férreas com as alterações abruptas de temperatura.

A SCI Verkeher Consultoria também quer conquistar um espaço entre os brasileiros. A empresa é especializada na elaboração de pesquisas sobre o potencial de mercado em todo o mundo. O consultor da empresa, Leandro G. Padovan, explica que a previsão de crescimento do transporte de cargas e passageiros no Brasil é de 4,2% de 2015 a 2018, enquanto na Europa como um todo a estimativa é de um aumento de 1,5%. “Por isso consideramos o Brasil um mercado com tanto potencial”, afirma.

O objetivo da empresa BC2 é o de ampliar sua carteira de clientes no Brasil, para onde já fornece equipamentos de segurança e de manutenção de vegetação em ferrovias. O representante da empresa, Bruno Britto, afirma, que a intenção da empresa, é o de produzir no país peças de reposição dos equipamentos para reduzir a necessidade de importações que, além de demoradas, têm o custo elevado.

Outra empresa com os olhos voltados para o Brasil é a Getzner, que pretende emplacar nas ferrovias de carga brasileiras um produto isolante de vibração que aplicado sobre os trilhos absorve impactos. A empresa já fornece o produto há 20 anos para o Metrô-SP.

Pavilhão Brasileiro na InnoTrans

Pela terceira vez as empresas brasileiras puderam participar de forma compartilhada do Estande Brasileiro, um espaço de 120m2, viabilizado com o apoio do Ministério das Relações Exteriores, da Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF), Associação Nacional dos Transportadores sobre Trilhos (ANPTRilhos), Associação da Indústria Ferroviária (ABIFER), do Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários(SIMEFRE) e da Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP).

Neste ano 21 empresas participaram do Estande Brasileiro: Brastan, Cavan, Compren, Wegis Wega, Grupo Agis, Hidremec, Hubner, Indra, Maba Ecoline, Metisa, MWL, Odebrecht Transport, Retesp, Riosulense, Stucky do Brasil, Sysfer, Thales e Urbaniza.
“Esta foi a quinta vez que a CKZ Eventos organiza o Projeto Brazil on Rails: três na InnoTrans, e duas na Rail Interchange, nos Estados Unidos (EUA). Esse projeto é fundamental para que os empresários brasileiros consigam expor seu produtos e serviços no exterior a custos reduzidos”, destaca a diretora executiva da CKZ, Cristina Kerr. Fonte: Cláudia Borges – de Berlim - ANTF Publicada em: 30/09/2014

Trem de Alta Velocidade de Kyushu

O Kyushu Shinkansen é uma linha que conecta Fukuoka Hakata Station no norte com Kagoshima Estação de Kagoshima-Chuo, no sul de Kyushu. A metade sul foi inaugurado em 2004, a metade norte em 2011.

A maioria dos trens ao longo da Kyushu Shinkansen fornecem através do serviço com a Sanyo Shinkansen para Osaka ou fornecer uma transferência rápida e fácil de um comboio na estação de Hakata Nozomi. Os trens ao longo da Kyushu Shinkansen são operados pela Kyushu Railway Company, vulgarmente conhecido como JR Kyushu.

Espanha e França ligação por trem de alta velocidade

O trem de alta velocidade entre Paris e Barcelona já é uma realidade nos dias de hoje, os dois primeiros serviços que ligam as duas cidades entre as estações de Paris Gare du Lyon-Barcelona-Sants. O serviço foi lançado em dezembro de 2013.

A parte da conexão para Paris, também lançado a viagem para as cidades francesas de Toulouse, Lyon e Marselha. No total, cinco serviços diários em cada sentido que ligará Barcelona com a França em trens de alta velocidade. Fonte: SNCF

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Trens de Alta Velocidade no Japão - Shinkansen desde 1964

Todo mundo já ouviu falar de linhas de trem bala do Japão, mais propriamente conhecido no Japão como Shinkansen . Estas são as linhas de alta velocidade, construídos para a bitola padrão europeu e norte americano. 

O primeiro Shinkansen foi o de Tokaido ligando Toyo, Kyoto e Osaka inaugurado em 1964, mais tarde alargado como o Sanyo Shinkansen de Hiroshima, Kobe e Hakata. Agora há toda uma gama de linhas "Shinkansen" entre todas as mais importantes cidades do Japão, incluindo Nigata, Tóquio, Kyoto, Osaka, Hiroshima, Fukuoka e Kagoshima.

Dilma diz que TAV tem condições de ser desenvolvido

Em conversa com blogueiros nesta sexta-feira, a presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, disse que o projeto de construção do trem-bala entre Rio e São Paulo ainda tem condições de ser desenvolvido pelo governo. Segundo Dilma, o plano não teve prosseguimento porque o “momento não era adequado” em virtude da crise do euro e não havia a competição necessária.


“Preferimos adiar o processo, deixamos as coisas ficarem mais fáceis internacionalmente”, afirmou. A presidente alegou que seria uma "temeridade" levar o processo adiante naquele momento. Dilma disse que o Brasil precisa desse tipo de transporte porque ele proporciona a diminuição da pressão sobre as grandes cidades e permite que a população more em municípios onde o preço da terra mais barato. "O trem-bala é para resolver uma questão urbana. Há imensa concentração de população entre São Paulo e o Rio de Janeiro", afirmou.

Ela também destacou a importância dos investimentos do governo federal em logística, sobretudo aportes para construção de ferrovias e hidrovias. De acordo com Dilma, os dispêndios em hidrovias do Norte serão fundamentais para permitir o escoamento de mercadorias pelos portos da região, desafogando os do Sudeste e do Sul. Fonte: O Estado de S. Paulo

domingo, 28 de setembro de 2014

Trem de Alta Velocidade - Turquia

Um projeto de alta velocidade ferroviária de ligação da capital da Turquia Ankara, com sua maior cidade de Istambul, da Turquia o ministro dos Transportes Lutfi Elvan disse Agência Anadolu na terça-feira, apontando para final de junho 2014 como um possível novo prazo.

Elvan disse que o projeto terá testes e processos de certificação continuarão com todo vapor para que se possa ligar as cidades com altíssimo grau de eficiência com trens muito velozes e seguros. Atualmente existem três linhas de trem de alta velocidade entre Ankara, Konya e Eskisehir, todas nas províncias da Anatólia central.

sábado, 27 de setembro de 2014

Trens Siemens Amtrak

Após três décadas de trabalho duro, a Amtrak irá substituir os trens no Corredor Nordeste e Pensilvânia. Eles serão substituídos por 70 trens de alta eficiência elétrica da Amtrak Cidades Sprinters (ACS-64) construído pela Siemens em Sacramento, Califórnia. Os ACS-64 unidades são baseadas em EuroSprinter da empresa, e os trens irão assumir os lugares das locomotivas diesel Electro-Motive feitas em 1978 e 1988.

As novas locomotivas poderão atingir até 201 km/h no serviço Regional Nordeste entre Boston e Washington DC, a locomotiva é capaz de realizar este trabalho puxando até 18 vagões. Os freios inovadores devolvem a rede elétrica 5MW de energia.

Japão testa seu novo trem de levitação magnética que voa baixo a 500 km/h

Trens maglev são prometidos como o futuro do transporte público por chegarem a velocidades altíssimas: o Shanghai Transrapid, na China, se desloca a 431 km/h. O Japão quer ir ainda mais rápido com seu sistema maglev: em uma demonstração pública nesta semana, o trem deles atingiu 500 km/h.

Este foi o primeiro teste público realizado pela Central Japan Railway Company. A empresa convidou algumas pessoas do público e da imprensa para demonstrar, em uma via de testes de 42,8 km, a tecnologia L-Zero. 


Segundo o Japan Today, o trem primeiro chega a uma velocidade inicial de 160 km/h para então ativar o sistema maglev; dessa forma, ele acelera lentamente até a velocidade máxima de 500 km/h.

Para efeito de comparação: o metrô paulistano tem velocidade média de 32,4 km/h; enquanto os trens da SuperVia, no Rio, circulam a uma velocidade média de 38 km/h.

A tecnologia maglev usa uma série de ímãs nos trilhos para levitar e acelerar os vagões do trem. Ela promete reduzir, de 90 para apenas 40 minutos, o tempo de viagem entre Tóquio e Nagoya. O vídeo acima mostra um dos testes da tecnologia, realizado em 2013.

A primeira linha está prevista para ser inaugurada apenas em 2027, custando o equivalente a US$ 61,4 bilhões, ou seis vezes o que gastamos na Copa do Mundo no Brasil. Ela será então expandida para Osaka até 2045.

Enquanto isso, temos também um projeto nacional de trem com levitação magnética: o Maglev-Cobra, desenvolvimento pela Coppe/UFRJ, começa sua fase de testes operacionais em 1º de outubro, nos 200 m entre dois centros tecnológicos da Cidade Universitária, no Rio. O projeto deve estar pronto para a industrialização em 2015, ainda sem previsão de ser implementado. Fonte: MSN Tecnologia

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Talgo Avril G3

É o mais recente desenvolvimento da Talgo, foi concebido como uma plataforma adaptável às necessidades de cada cliente. Ele é baseado em tecnologia Talgo com inovações importantes para os trens de alta velocidade, pode operar a uma velocidade de até 380 km/h, com uma configuração revolucionária no setor, inspirado na aviação comercial, bancos 3 + 2 em cada linha, para garantir a capacidade máxima e flexibilidade aos operadores ferroviários. Esta distribuição permite uma maior capacidade de alcançar 600 lugares dentro da sua configuração padrão.


AVRIL é um trem de alta capacidade com um andar, sendo capaz de transportar mais de 600 passageiros, graças a uma inovadora configuração 3 + 2. Graças ao desenvolvimento de um novo tipo de trem Talgo o único trem do mundo e do mercado com estas características.

A AVRIL é concebido como um conceito de plataforma, a fim de se adaptar às necessidades dos clientes e oferecer a melhor resposta ao projecto de alta velocidade internacional.

Interoperabilidade

Largura da via: 1435 milímetros, 1520 milímetros ou 1.668 milímetros;
Versão com e sem alteração largura eixos;
Sistema de tração projetado para 4 tipos de tensões;
Possibilidade de diesel drive / elétrico;
Possibilidade de sistema de inclinação ou não;
Carros Possibilidade de largura padrão (2.900 mm) e máximo (3.200 mm).

Mobilidade eficiente e integrada - Trens Siemens

Quando é que vamos ter as respostas técnicas aos desafios da mobilidade do futuro? Hoje. Na Siemens. Tendências mundiais como a globalização, a digitalização, a evolução demográfica e as alterações climáticas são os desenvolvimentos característicos da nossa era. Em particular a garantia sustentável da qualidade de vida e a competitividade das cidades são questões prementes. A Siemens oferece as respostas certas.

Com veículos ferroviários eficientes, com tecnologia integrada para o controle do tráfego ferroviário e rodoviário, bem como soluções inteligentes para eletrificação. Sob a bandeira "mobilidade eficiente e integrada", oferecemos tudo isso a partir de uma única fonte.

Fonte: Siemens

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Governo avança em 2014 com linha de alta velocidade

O Governo já negociou com Bruxelas o financiamento para a linha de alta velocidade entre Lisboa e Madrid, informou o ministro das Finanças à TVI. O projeto vem sendo desenvolvido a alguns anos pelo governo de Portugal e da Espanha, a iniciativa é amplamente defendida pelos países da Europa que utilizam os trens de alta velocidade.

A linha em bitola europeia, que servirá para passageiros e mercadorias, deverá avançar entre 2014 e 2020 e contará com uma participação comunitária de 85% e não de 25%, como estava previsto em anteriores projetos. 

Projeto do Trem de Alta Velocidade de Dallas a Houston

Durante anos, a empresa japonesa do sistema ferroviário mais movimentado de alta velocidade do mundo, está tentando entrar no mercado de transporte ferroviário de alta velocidade dos Estados Unidos, na esperança de vender um dos mais maduros mercados ferroviários de passageiros do mundo em seus incrivelmente rápidos trens Shinkansen.

Mas com os esforços da Central Japan Railway para vender trens de alta velocidade para os EUA indo a lugar nenhum, Texas emergiu como a melhor esperança da empresa para a introdução de sua tecnologia de grande sucesso para o mercado americano.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Alstom lança HealthHub uma ferramenta inovadora para manutenção preditiva

A Alstom lança o HealthHub, uma nova ferramenta de manutenção preditiva capaz de monitorar a saúde dos trens, infraestrutura e bens de sinalização utilizando análises avançadas de dados para prever sua vida útil remanescente. O HealthHub foi apresentado na InnoTrans, maior feira ferroviária do mundo, que acontece em Berlim 23 à 26 de Setembro.

HealthHub é apoiada por diversas soluções de captura de dados de alta tecnologia, tais como TrainScanner, um diagnóstico automatizado capaz de medir a condição de três parâmetros de um trem que se move através do portal, as rodas, pastilhas de freio e as tiras do pantógrafo de carbono.

Ele permite que até 15% dos custos das matérias a serem salvos, substituindo-os apenas em uma base como-necessário. Para as infraestruturas, TrackTracer vai permitir o monitoramento semelhante das vias e catenárias.


Tudo fica pronto quando o trem chega para que os mantenedores possam completar as tarefas de forma rápida e sem desperdício. Ele foi projetado especificamente para emitir recomendações para a execução das tarefas que são realmente necessárias. Para os nossos clientes as vantagens são múltiplas, otimizar sua frota graças ao aumento da disponibilidade de trem, o tempo em manutenção é reduzido e o custo total do ciclo de vida é reduzida, diz Laurent Fromont, da Alstom Transporte Vice-Presidente de Serviços.

A Alstom já tem uma experiência significativa no uso de monitoramento de condição remota de trens para otimizar as operações e manutenção desde 2006.

Esta primeira aplicação de manutenção preditiva real, HealthHub com TrainScanner, está passando por uma série de testes e estará em serviço no final de 2014. Esta primeira versão do HealthHub será atualizada em breve com novas ferramentas de análise de dados.

Fonte: Alstom

Italcertifer ganha certificado de normas europeias

A empresa liderada por Charles Carganico foi concedida a certificação de acordo com as normas europeias, a linha ferroviária que liga as cidades de Tithorea e Domokos, junto a Atenas-Salónica. A tarefa foi confiada a Italcertifer o agrupamento de empresas GEK Terna, atuadores, J & P. On-line Tithorea Domokos (mais de 100 quilômetros de via dupla), o que será suficiente para atingir 200 km/h  de velocidade comercial dos comboios, Italcertifer vai testar e certificar a conclusão das obras de urbanização, os sistemas de infraestrutura ferroviária gestão e controle de tráfego, sinalização (ETCS-L1) e de energia, galerias e as estruturas no local para facilitar o acesso a pessoas com mobilidade reduzida.

A aquisição marca um passo importante para o estabelecimento e crescimento de Italcertifer no mercado da Europa de Leste ao longo dos Países dos Balcãs / Grécia / Bulgária para a Turquia, onde já está presente uma forma consistente e em que o certificado alta velocidade ferroviária Ankara - Istambul (500 km), recém-inaugurado, o que reduz o tempo de viagem entre as duas cidades de 6 para 3 horas e 15 minutos.


segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Trenitália inova mais uma vez

AccesRail líder mundial na distribuição de soluções intermodais aero-ferroviária, assinou um acordo com a Trenitalia, operador principal na Itália. Esta parceria utiliza a experiência inovadora do AccesRail para permitir a Trenitalia confeccionar seus bilhetes de trem disponível nas plataformas de vendas de todas as principais companhias aéreas do mundo.

Os agentes de viagens podem agora reservar facilmente segmentos aéreo e ferroviário na tela principal da companhia aérea de todos os GDS importantes. E o cliente pode viajar com segmentos aéreo e ferroviário no mesmo itinerário.

Esta parceria utiliza esta rede extensa com novas oportunidades para a indústria do turismo nacional que serve um novo leque de destinos finais para viagens internacionais e intercontinentais. Este por sua vez, atende a demanda do mercado para ampliar o leque de destinos turísticos, ao fazer serviço porta a porta possível e mais transparente.

Área Industrial, engenharia e manutenção de material rodante da RENFE

Desde a criação em 1941 a manutenção dos trens da Renfe tem sido realizada no local em nossa área industrial, gestão da frota, qualidade, estoque, eficiência, confiabilidade e segurança. Graças a esta grande experiência, que tornaram-se referência para a manutenção do setor ferroviário na Espanha. Os produtos que são mais especializadas para a experiência adquirida ao longo dos anos, bem como a manutenção dos trens, é a preparação do material rodante e reparação de componentes ferroviários. 

Além disso, INTEGRIA interveio na fabricação de novos trens nas vias espanholas, principalmente o trabalho de montagem em nossas instalações e material de pesquisa. Como a equipe de especialistas, que também são capazes de oferecer serviços de consultoria de engenharia e serviços de gestão, bem como elaboração e execução de oficinas.

domingo, 21 de setembro de 2014

Amtrak Acela - EUA


A potência comercial e política, Corredor Nordeste da América (NEC) é uma das áreas mais densamente povoadas do país. A NEC se estende de Washington DC, no extremo sul, através de Baltimore, Filadélfia, Nova York ao longo do sul da costa da Nova Inglaterra para Boston.

 É a mais movimentada rota ferroviária  dos Estados Unidos com vários operadores de transporte ferroviário, a seção mais utilizados é entre Pensilvânia e New York City. No início do projeto, com aproximadamente 45% do mercado no tráfego no NEC, a Amtrak tinha uma presença forte mas, buscou consolidar a sua posição estabelecida pelo serviço de passageiros. 

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Presidente da EPL apresenta aos japoneses as oportunidades de investimentos em ferrovias

O diretor-presidente da Empresa de Planejamento e Logística, Josias Cavalcante Júnior, apresentou aos investidores japoneses, em Tóquio, as oportunidades de investimentos no setor ferroviário brasileiro.

Participante da XVII Reunião Conjunta do Comitê de Cooperação Econômica Brasil-Japão, o presidente da EPL falou sobre a infraestrutura e o agronegócio no Brasil e como o governo brasileiro está trabalhando para expandir sua malha ferroviária, hoje com 28.190 km em operação, de forma a atender a demanda de produção agrícola no país.

Josias Cavalcante Jr. detalhou aos japoneses o Programa de Investimentos em Logística – PIL, com o novo modelo de exploração ferroviária e suas características, a mitigação dos riscos e o modelo de financiamento. Fonte: EPL


Previsão de Início da Operação do Trem de Alta Velocidade no Brasil será em 2020

Em relação ao Transporte Ferroviário de passageiros, o projeto mais em evidência atende pelo apelido de trem-bala,oficialmente Trem de Alta Velocidade (TAV), para ligação das cidades do Rio,São Paulo e Campinas.Assim como a Ferrovia Norte-Sul, o projeto de construção da via férrea vem desde a década de 1980, de acordo com informações publicadas no site da Empresa de Planejamento e Logística S.A.(EPL).


Em 2007, o governo federal incluiu no Programa Nacional de Desestatização (PND) e no ano seguinte foram contratados serviços de consultoria para analisar a viabilidade técnica,econômica e financeira do TAV.Em 2010,ainda segundo a EPL,foram concluídos os estudos e o texto do edital de licitação para a concessão. Em julho de 2011, o governo realizou, na sede da BM&F Bovespa, o leilão de TAV para ligar as cidades de Campinas,São Paulo e Rio de Janeiro.

Como o processo não foi concretizado por falta de propostas,o governo dividiu a licitação em duas etapas.Pelo novo modelo, segundo o texto, investidores terão participação de 55% na Sociedade de Propósito Específico (SPE), a ser formada em conjunto com a Empresa de Planejamento e Logística.A participação da EPL na operação do trem será de 45%.

Segundo a EPL,"atualmente estão sendo desenvolvidas ações que visam estruturar, aprimorar e ampliar a base de dados disponível, além de realizar estudos básicos para o desenvolvimento dos projetos de engenharia, entre os quais se inclui a complementação dos estudos ambientais necessários à elaboração do EIA-RIMA e o aprimoramento do traçado do TAV." Ainda segundo a EPL,"as novas datas para a realização do processo de licitação da concessão do TAV Rio de Janeiro-Campinas estão sendo avaliadas e ainda não foram definidas. De acordo com o modelo de implantação vigente, essas datas e o desenvolvimento do projeto deverão ser compatíveis com a previsão de início de operação do sistema em 2020. Fonte EPL

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Implantação de uma estação da Amtrak para a cidade de Illinois

O prefeito de Illinois nos Estados Unidos está reunindo esforços para implantação de uma estação da Amtrak para a cidade, como parte dos esforços para desenvolver uma rota Amtrak de alta velocidade entre Chicago e St. Louis. O Estado está trabalhando para conectar Chicago e St. Louis com uma via férrea de 284 milhas.

Os organizadores da conferência de imprensa de apresentaram  petições com mais de 3.000 assinaturas de apoio à estação de East St. Louis será apresentado ao secretário de Transportes do estado durante uma reunião. A atualização ferrovia está prevista para ser concluída em 2017.

Japão e China disputam lucrativos contratos ferroviários

Tóquio - Empresas de Japão e China começaram a batalhar para conseguir a assinatura de lucrativos contratos para construir novas linhas de trem na Ásia, um mercado ferroviário muito promissor, informou nesta quarta-feira o jornal japonês "Asahi".

Consórcios de empresas dos dois países estão realizando gestões para garantir um posto vantajoso nas licitações de futuros projetos na Ásia, onde o crescimento econômico e populacional exige a construção de até 10.000 novos quilômetros de vias em vários países.


Um dos mais atrativos é o da linha de alta velocidade que pretende cobrir os 350 quilômetros que separam a capital da Malásia, Kuala Lumpur, de Cingapura em 90 minutos.

Esta linha, cujo processo de licitação será aberto entre outubro e dezembro de 2015 segundo confirmaram autoridades malaias e cujo custos de construção são calculados em cerca de US$ 12 bilhões, interessa inclusive a empresas espanholas e francesas do setor.

Para exercer pressão sobre Kuala Lumpur, executivos de um consórcio formado pela ferroviária JR East, Sumitomo Corporation e Mitsubishi Heavy Industries viajaram em meados de agosto à Malásia junto ao ministro de Transporte japonês, Akihiro Ota, e se reuniram com membros do Executivo do país asiático, explicou hoje o "Asahi".

Além deste projeto, a junta militar da Tailândia aprovou duas linhas domésticas de alta velocidade, enquanto no Vietnã se finalizam os detalhes de uma rota que uniria a capital, Hanói, com a maior urbe do país, Cidade de Ho Chi Minh, e na Índia prossegue um estudo para conectar Mumbai e Ahmedabad.

A conexão entre estas duas cidades indianas, que se transformaria na primeira linha de alta de velocidade do país, foi um dos principais assuntos na agenda da cúpula realizada em Tóquio no início deste mês entre o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e seu colega indiano, Narendra Modi.

Além de perseguir o projeto tailandês (em julho representantes de Pequim realizaram uma reunião estratégica com membros da junta militar), as companhias chinesas, entre elas a CSR (maior fabricante mundial de locomotivas elétricas), têm também o foco posto nos demais projetos.

Em qualquer caso, as empresas de ambos países têm ainda pouca experiência exportando sua tecnologia ferroviária fora de seus países, já que o Japão só vendeu vagões de alta velocidade a Taiwan e as companhias chinesas somente participaram da construção parcial de uma linha na Turquia.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Crescente o número de passageiros nos trens de alta velocidade

Desde que o serviço ferroviário de alta velocidade na China foi introduzido em 18 de abril de 2007, o número de viagens diárias cresceu de 237.000 em 2007 para 1,33 milhões em 2012, é a rede ferroviária de alta velocidade a mais usada no mundo. 

A rede ferroviária de alta velocidade da China é composta por ferrovias convencionais adaptadas, quase todas as linhas ferroviárias de alta velocidade e material rodante são de propriedades e operados pela China Railway Corporação, operador ferroviário nacional anteriormente conhecido como o Ministério Railway. O Shanghai Maglev Train pertence e é operado pelo governo da cidade de Xangai.

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Primeira ferrovia de alta velocidade projetada para temperaturas extremamente baixas - China

A primeira ferrovia de alta velocidade do mundo projetada para suportar temperaturas extremamente baixas entrou em funcionamento em 2012 no nordeste da China como parte dos esforços do país para revitalizar a indústria da região.

A ferrovia, que percorre 921 quilômetros e conecta as capitais das províncias de Heilongjiang, Jilin e Liaoning à cidade portuária de Dalian, em Liaoning, tem uma velocidade projetada de até 350 quilômetros por hora.


A linha entrou em operação depois de um período experimental de dois meses em que circulou em meio a tempestades de neve com temperaturas de até 40 graus negativos. A operação da linha de alta velocidade Harbin-Dalian representa um grande progresso na construção de uma rede ferroviária de 'quatro linhas verticais' e 'quatro linhas horizontais'", indicou o vice-ministro das Ferrovias da China, Lu Chunfang.

Atualmente, a China conta com uma rede de alta velocidade de 8,6 quilômetros, ocupando o primeiro lugar do mundo. A nova linha de alta velocidade não apenas permitirá a realização de viagens com duração de meio dia dentro das três províncias, mas também deve revitalizar o "corredor industrial" que une a indústria química pesada de Heilongjiang, a indústria automobilística de Jilin e a indústria de maquinaria pesada de Liaoning com o porto de Dalian.

De acordo com o plano quinquenal de transporte aprovado pelo Conselho de Estado, gabinete chinês, o país contará em 2015 com uma rede ferroviária de alta velocidade de quatro linhas leste-oeste (horizontais) e outras quatro norte-sul (verticais), com uma extensão total de cerca de 18 mil quilômetros.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Estação Joaquim Sorolla - Trem de Alta Velocidade Renfe Ave

Viajar pela Espanha é uma experiência encantadora em um trem de alta velocidade AVE operado pela RENFE. Você vai desfrutar de sua viagem na frota de trens mais modernos da Europa, e também se beneficiar de um serviço atencioso em todas as classes de viagem.
O nome completo Alta Velocidad Española significa Alta Velocidade Espanhola, e também um jogo com a palavra ave. Os trens operados pela RENFE definitivamente fazem jus a seu nome, alcançando velocidades de até 300km/h.

Os trens AVE são uma maneira luxuosa e eficiente de chegar a todo o país. Com excelente serviço ao cliente, pontualidade e uma maneira fácil de entender as tarifas, a rede AVE continua a ser um grande impulso para o turismo e os negócios da Espanha. A RENFE é a empresa ferroviária nacional espanhola, que opera os trens de alta velocidade AVE.

domingo, 14 de setembro de 2014

Nova Instalação de Manutenção Trenitalia - Itália

A construção aprovada de uma nova instalação de manutenção de trens para Turim perto do Lingotto é esperada, vai empregar cerca de 1.000 pessoas. As ferrovias italianas fizeram um grande investimento de € 200 milhões para a nova unidade que vai servir tanto os trens regionais quanto os de alta velocidade.

Turim há alguns meses lançou o concurso para as obras de construção que devem começar já em 2013/2014. A nova fábrica vai dar emprego a cerca de 800/1000 pessoas, na Trenitalia serão organizados nos próximos meses a contratação de profissionais que serão levados para a nova unidade dentro de dois anos. Fonte: Trenitalia

sábado, 13 de setembro de 2014

Trens de Alta Velocidade na Europa - Espanha

Marco na viagem de trem de alta velocidade espanhol com a inauguração da ligação ferroviária entre Madrid e Valência, a Espanha tem a maior rede ferroviária de alta velocidade na Europa, com mais de 2,665 km de linhas. Perdendo apenas para China em uma escala global. O potencial de crescimento é impressionante, com mais de 40% da população da Espanha vivem dentro de um raio de 50 km de uma estação de alta velocidade.

Alta velocidade Trens Espanhóis - Renfe

Os trens AVE são amigos do ambiente, possuem um histórico de segurança perfeito, eles são sem complicações e eficiente, combinado com todos os benefícios socioeconômicos de ofertas ferroviárias de alta velocidade, é de pouca surpresa que a Espanha é incrivelmente orgulhosa da sua rede ferroviária AVE.

Internacionalmente, a Espanha é reconhecida como líder mundial em viagens de trens de alta velocidade. Mais adiante, Ray LaHood, secretário de transportes de Barack Obama foi visitar e estudar a implementação ferroviária espanhol esperando desenvolver algo semelhante nos EUA.

O crescimento do transporte ferroviário de alta velocidade



Espanha é o terceiro maior país da Europa. As distâncias entre maiores cidades da Espanha são enormes e nunca foram realmente viável por estrada. Transporte aéreo doméstico foi a resposta. Ao longo do último par de anos, o transporte ferroviário de alta velocidade tem literalmente transformado esta realidade.

Rota mais popular do AVE - o Barcelona - Madrid um - tem levado a um cancelamento em massa de voos entre as duas cidades.

De Madrid a Barcelona tomando apenas duas horas e trinta minutos e com 99% de pontualidade, já vão longe os dias de atrasos nos aeroportos, filas e greves.

Regularmente viajando a velocidades superiores a 300 km/h, os trens AVE são os mais modernos da Europa. Ao invés de emular a opção mais barata francesa, os trens espanhóis estão a altura de luxo. Eles oferecem todos os confortos modernos, a partir de poltronas reclináveis ​​totalmente espaçosas com acesso Wi-Fi gratuito.


Os trens AVE utilizam sua própria linha dedicada (algo que raramente é o caso em outros países) o que significa que comboios com frete e outros trens mais lentos não atrapalham. O fato de que o trem Madrid-Sevilha nunca teve um acidente em mais de 18 anos destaca isso.

Os próprios trens são uma façanha de engenharia avançada, estão equipados com uma série de sensores que monitoram centenas de variáveis, através de vibrações, à velocidade do vento, a temperatura da linha ferroviário. O menor problema detectado automaticamente fará com que o trem pare.

De todos os poluentes ambientais, as emissões de combustíveis de aviação tem crescido mais rápido na UE. A viagem de trem sempre foi uma maneira mais ecológica de viajar. Ninguém mais do que o AVE, com linhas retas, menos paradas, trens AVE utilizam 19% menos energia do que os trens convencionais. Fonte: Renfe/Ave

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Terminal em Londres terceiro maior movimento do mundo

A Estação de London Waterloo é um grande terminal ferroviário em Londres, Inglaterra, operado pela Network Rail. Se localiza no bairro londrino de Lambeth, próximo do South Bank, em Travelcard, e abriga uma unidade da British Transport Police.

O complexo Waterloo incluindo o metrô de Waterloo Oriente, mais do que qualquer outra estação no Reino Unido, e o terceiro maior movimento do mundo, menor apenas do que Gare du Nord em Paris e Gare Saint-Lazare, cerca de 170 milhões de passageiros anual. Possui mais plataformas e maior área útil do que outras estações britânicas. É o término de uma rede de linhas ferroviárias no Sudoeste da Inglaterra e os subúrbios de Londres. Fonte: Divulgação



quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Trens de alta velocidade o futuro dos transportes

Estradas de Ferro ajudaram a inaugurar a era moderna a mais de um século atrás, agora, muitos estão olhando para trens de alta velocidade para ajudar uma nova era mais verde do transporte de massa. Crescentes preocupações ambientais estão sendo desafiados por preocupações econômicas decorrentes de enormes despesas de capital e operacionais.

Um lugar onde os trens de alta velocidade faz desfrutar de um grande apoio é a China. Esse país tem a maior rede ferroviária de alta velocidade do que qualquer outra nação na Terra, mais de 4.800 km de linhas.

Trem TGV Duplex Alstom 

A História do transporte ferroviário de alta velocidade:

A partir do início do século 20, muitos trens atingiram ou ultrapassaram as velocidades necessárias para ser chamado de "alta velocidade", mas nenhum deles foi amplamente adotada para os passageiros ou de carga em movimento. Alguns nem sequer conseguiu passar a fase de testes.

Apelidado trens "bala" em Inglês, o comboio de alta velocidade japonês em média 101 milhas por hora ao longo da rota com paradas em Nagoya e Kyoto. Ele chegou a uma velocidade máxima de 130 quilômetros por hora.

Na Europa os trens de alta velocidade surgiram na década de 1960 com os serviços na Alemanha e na França. A década seguinte viu Grã-Bretanha e Itália construírem os de trens de alta velocidade e nos anos seguintes fazerem mais e mais conexões inter-ferroviário transeuropeu de alta velocidade, com linhas populares que funcionam entre Paris e Londres, Londres e Bruxelas e Bruxelas e Paris.

No início de 1990 a Espanha começou a construir sua infraestrutura ferroviária de alta velocidade. Ela tem crescido desde então a tornar-se a segunda maior rede ferroviária de alta velocidade do mundo, com mais de 1.900 quilômetros de linhas ferroviárias que operam.

Pouco depois de a Espanha iniciar a sua viagem ferroviária de alta velocidade, a China se envolveu em uma maneira de pensar grande. O governo tem pressionado para melhorias e construção de vários milhares de quilômetros de trilhos. Como consequência, a China tem agora o maior número de quilômetros de ferrovias de alta velocidade.

Depois de inicialmente a compra de trens e tecnologia ferroviária de outros países, a China agora produz boa parte de seu próprio equipamento ferroviário e infraestrutura.


A criação e expansão do trem de alta velocidade na China

Em 2007, a primeira linha ferroviária comercial de alta velocidade da China foi introduzida, baseado em trens importados e trens fabricados na China no âmbito de acordos de transferência de tecnologia com fabricantes de trens estrangeiros, incluindo a Alstom (França) Siemens (Alemanha), Bombardier Transportation (Alemanha) e a Kawasaki Heavy Industries (Japão). 


Hoje, a maioria dos trens e subcomponentes são fabricados na China, quando a Califórnia anunciou seus planos para uma rede ferroviária de alta velocidade alguns dos lances mais fortes vieram de empresas de trem de alta velocidade chineses, apoiados pelo baixo custo de financiamento do governo chinês. Essas empresas literalmente não existiam há alguns anos antes.

A China também está se movendo para o setor aeroespacial com velocidade similar. Comac, por exemplo, foi fundada em 2008 e tem desenvolvido a sua ARJ21 um corpo de aeronaves de longo alcance amplo, em cooperação com a Bombardier (filial canadense) e outros. Ela vai competir diretamente com Boeing e Airbus.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

A estatal alemã Deutsche Bahn (DB) articula parceria para virar operadora no Brasil

A estatal alemã Deutsche Bahn (DB) começou recentemente a atuar no Brasil e já planeja ampliar a presença no país como operadora de trens. Para isso, no entanto, a empresa ainda aguarda a publicação da nova regulamentação para o setor, que vai liberar transportadores independentes de carga nos trilhos do país - mas diz já conversar com potenciais parceiros.

Dieter Michell-Auli, membro do conselho da Deutsche Bahn International, disse ao Valor que a empresa vê o Brasil como um de seus mercados prioritários nos próximos anos. A companhia abriu uma subsidiária no Brasil há dois anos - que, até agora, é a única da companhia no continente americano. "Nós acabamos de começar, mas já estamos felizes de alcançar um valor superior a € 1 milhão em faturamento. Temos certeza que vamos crescer rápido", afirmou.


Segundo o executivo, a empresa atua hoje no Brasil como consultora e elaboradora de estudos para interessados no setor. Exemplo recente de atuação no país foi a participação da DB nos estudos de viabilidade, feitos para a Valec, sobre a primeira ferrovia a ser leiloada pelo governo, a Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico) - entre Campinorte (GO) e Lucas do Rio Verde (MT). O investimento de construção do trecho está previsto em pelo menos R$ 4,9 bilhões.

Além disso, a DB pode assinar um convênio com a Valec para fortalecer a estatal brasileira, que terá um papel-chave no novo modelo ferroviário brasileiro. Pelos planos do Planalto, a Valec será responsável por trazer novos interessados privados em movimentar trens nos futuros trilhos e, em consequência, fortalecer as receitas dos cofres públicos. Mas o mercado ainda vê com receio o papel da Valec. Entre vários outros motivos, está o de que a companhia justamente tem pouca capacidade gerencial hoje. É justamente o fortalecimento da gestão da Valec que o governo procura com a parceria.

O desejo de trabalhar com a DB já foi anunciado por representantes do governo. Mas o edital, diz a Valec, ainda não foi lançado. A empresa escolhida fará "serviços de consultoria com finalidade de implantação do novo modelo de operação ferroviária na totalidade do sistema ferroviário nacional" ainda não foi lançado.


Em um segundo momento, a DB tem interesse em virar uma operadora no Brasil. "Quando o marco regulatório do 'open access' trouxer a chance de participar na operação, nós obviamente podemos participar", afirma Michell-Auli. "O Brasil é muito importante para a DB, especialmente em operações de logística. Queremos continuar a crescer e vemos um futuro brilhante no país".

O executivo disse ainda que a participação da empresa como operadora no Brasil seria em parceria com sócios locais. "Nós não temos ainda todo o 'know how' sobre o mercado brasileiro. [Por isso] Estamos definitivamente conversando com vários [potenciais] parceiros".

O diretor da DB para a América, Gustavo Gardini, acrescenta que a companhia alemã está negociando com transportadores tanto de cargas como de pessoas. "Estamos falando com alguns grupos no Brasil e avaliando oportunidades", diz. "Mas a informação sobre quem são eles é confidencial", completa.

Apesar do interesse no Brasil, a DB não pensa em investimentos vultosos no país. Atuar como concessionária de novos trechos, o que demanda investimento de cifras bilionárias, não está nos planos da empresa. "Em geral, a DB não está em posição de investir em infraestrutura neste momento em países que não a Alemanha", disse. Por ser estatal, a DB fica sob ingerência do governo alemão, que lidera uma política de austeridade na União Europeia.

A intenção de ficar de fora dos investimentos é diferente da planejada por pares internacionais, como a China Railway Construction Corporation (CRCC) e a russa RDZ. A CRCC, por exemplo, está avaliando as licitações de concessão de ferrovias em parceria com a construtora brasileira Camargo Corrêa. Já a RDZ está formulando estudos em parceria com a brasileira Progen.

A Deutsche Bahn faturou € 39,1 bilhões em 2013, com lucro líquido de € 649 milhões. Seu perfil endividamento (dívida líquida/Ebitda) é de 3,2 vezes. A empresa transportou 390 milhões de toneladas em 2013, ou 80% do que o Brasil inteiro carregou por meio de ferrovias no mesmo ano. Fonte: Valor Econômico

domingo, 7 de setembro de 2014

Trens de Alta Velocidade Renfe Ave - Espanha

O trem é a expressão máxima da civilização européia eficiente, charmoso, democrático, tradicional mas em permanente modernização. No trem você viaja anônimo (só há check-in nos trens AVE espanhóis e no Eurostar, e a conferência de passaportes só acontece quando se ultrapassa a fronteira do espaço Schengen).

Ninguém implica com o que você leva na bagagem de mão. Tampouco você é submetido às mesmíssimas explicações básicas toda vez que sobe num vagão. Quem nunca andou de trem talvez sinta falta daquele beabá que acompanha todo o penoso processo de check-in e embarque dos aviões. Fonte: Renfe

sábado, 6 de setembro de 2014

Swiss Federal Railways SBB ETR 610 Pendolino

O termo "Bullet Train" trem bala, é apenas um (nick) nome não oficial dado para os primeiros trens de alta velocidade do Japão, o Shinkansen  não é um termo oficial usado em qualquer lugar do Mundo. A União Europeia dá a definição de High Speed ​​Rail como material rodante viajando em um mínimo de 250 km/h em pistas especialmente construídas para trens de alta velocidade ou a um mínimo de 200 km/h em trilhos existentes adaptadas para trens de alta velocidade, com material circulante certificado adequado para velocidades de até 200 km/h. 


A União Internacional dos Caminhos de Ferro define HSR como um conjunto de características únicas e não apenas um trem que viaja acima de uma determinada velocidade. E isso são as ferrovias de alta velocidade são mais de um ambiente ao invés de veículos em alta velocidade, que é apenas o produto final. Ferrovia de Alta Velocidade não é apenas sobre a construção de trens de vista impressionante, é sobre a criação de um ambiente de infraestrutura cujos componentes funcionem em conjunto que possibilitam a operação em velocidades muito mais altas do que as dos trens convencionais.

Trens de Alta Velocidade no Japão e no Mundo

Ferrovias de alta velocidade são muitas vezes vistas como a epítome do desenvolvimento da infra-estrutura de uma região ou nação, vitrines de progresso e de alto escalão lá em cima quando se trata de indicadores de qualidade de vida. 

Aqueles entusiastas futuristas o conceituam como muito, muito rápido, tecnologia de ponta silenciosamente e sem problemas que atravessam massas de terra a 300 quilômetros por hora são vistos em respeito e admiração por simples mortais, que silenciosamente desejam que um dia essas maravilhas zunindo possam acelerar em seus mundos também.

Monte Fuji

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Construção de viaduto sem interromper linha de alta velocidade

Engenheiros com visão de futuro na China constroem um viaduto inovador, é o primeiro no país construído com uma seção de um enorme viaduto a girar sob seu próprio eixo após a conclusão de modo a não perturbar a ferrovia abaixo.

Engenheiros e técnicos levaram 90 minutos para girar a estrutura na cidade de Wuhan. A seção foi construída separadamente de modo a não perturbar a linha férrea de alta velocidade. Foi a primeira vez que a técnica de construção foi utilizado no país A China é o lar da maior rede ferroviária de alta velocidade do mundo. Fonte e Fotos: Imaginechina/REX




Trem de Alta Velocidade TGV para todo canto da Europa

As rotas do TGV domésticos podem levá-lo a todos os cantos da França. No norte, há conexões internacionais para Bruxelas, na Bélgica e no Luxemburgo. No leste, o TGV pode levá-lo para as cidades alemãs Estrasburgo, Frankfurt e Munique. Se você viajar para o sul, você pode pegar um trem direto para Milão, na Itália, ou Barcelona ​​na Espanha.

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Número de passageiros Deutsche Bahn subiu em 2014

O número de passageiros aumentou 10 milhões no primeiro semestre de 2014 para pouco mais de um bilhão, Deutsche Bahn (DB) anunciou. As vendas de ingressos subiram 1,9% no ano anterior.
A publicação de seus resultados financeiros para o ano até à data, DB disse que, embora o número de passageiros em geral e pontualidade havia melhorado, a distância percorrida tinha realmente caído, uma queda de 0,4 %, para 42,9 bilhões de quilômetros de passageiros.

Ele acrescentou: "A pontualidade tem desenvolvido de forma positiva. No primeiro semestre do ano, 95,6 % de todos os trens de passageiros da DB chegaram no horário no destino. "

Apesar de os números mostram sinais positivos, diretor financeiro da DB, o Dr. Richard Lutz, foi cauteloso sobre o futuro. Ele disse que "não há motivo para euforia" e que "muitos desafios ainda estão por vir".

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

ICE 3 testado para operação transfronteiriça

Os testes preliminares foram concluídos para permitir a operação transfronteiriça do Siemens ICE 3 na França. A DB Systemtechnik e Siemens realizaram testes em dois dos trens de oito carros, eles foram testados para simular o serviço de passageiros.

O trem de teste estava equipado com uma variedade de sensores que medem parâmetros como o impacto sobre a infraestrutura e o conforto. O ICE 3 foi autorizado pela Autoridade Ferroviária Federal Alemã (EBA) para trafegar,

As execução dos testes descobriu que o ICE 3  poderá atingir uma velocidade máxima de 220 km/h em linhas convencionais e 320 km/h nas linhas de alta velocidade.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...